Seguidores

Nuvem de Tags

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

O Canalha - Caça 5

Ele foi ver o amigo baterista se apresentar num barzinho desses da vida. A banda era muito interessante, como não é difícil encontrar por aí. Tem muita gente ótima que jamais consegue um lugar de destaque no mundo artístico. Mas não, ele não vai fazer uma aventura musical neste post, e sim, tem uma cantora gostosa na banda do amigo baterista, e sim de novo, foi por isso, realmente, que ele foi ao barzinho.

O amigo do Canalha falava muito dele, por isso quando foram apresentados, ela foi logo perguntando se ele era o amigo safado. Como ela perguntou com um sorriso no rosto, ele aproveitou a deixa pra não se conter. Depois de conhecê-la e de dizer oi, tudo o mais que falou foram elogios e provocações. Ele dizia, por exemplo, que achava que se ela gemesse como ela canta, não haveria homem que resistisse, etc, etc. Isso depois de menos de cinco minutos de papo. E assim ele fez por mais 6 semanas seguidas. E toda vez, a partir do primeiro dia, ele dizia que no próximo show ele iria ao pequeno camarim do barzinho transar com ela antes do show, porque aí sim ela entraria aquecida. Ela sempre ria. Ele nunca ia. Ela sempre dizia que ele não teria coragem. Ele sempre ria.

Depois de dois meses seguidos (três vezes por semana), ela já ia pra lá esperando encontrá-lo. Já sentia saudades dele. Mas obviamente não admitia. Ela prometeu a si mesma que não ia ser mais uma vítima dele. Então, súbito, o Canalha parou de ir. Simplesmente sumiu. Durante os dois primeiros shows com a ausência dele, ela cogitou perguntar ao baterista por ele, mas não queria demonstrar qualquer saudade. Mas o amigo (conforme previamente combinado) sempre falava dele Na verdade, o Canalha ia aos shows, mas não entrava, ficava esperando ela ligar antes da  apresentação. Ela até ligou umas três vezes, mas sempre de dia ou depois das apresentações. E o Canalha não atendia. Até que um dia, ela ligou antes de subir ao palco (BINGO!). Depois do segundo toque, ele bateu à porta do mini-camarim. Ela foi atender com o telefone ao ouvido. Era ele.

Ele a pegou pelo braço antes que fingisse não querer, e fez exatamente como descreveu a ela em tantas conversas. Não trancou a porta (pra aumentar a emoção), e a encostou com força na parede. O corpo dele parecia querer afundá-la na parede. O fez com tanta força, que num momento se afastou um pouco preocupado em não machucá-la, mas ela logo tratou de demonstrar que aquilo não era suficiente para machucá-la. Ele Abriu o feiche da calça e começou a roçá-la sobre a saia e a calcinha. Ela tentou fugir de lá umas duas vezes, mas quando ele levantou a saia e arredou a calcinha, só restou a ela gemer e curtir aquele momento que nem ela sabia que queria tanto. Alguns gemidos dela foram audíveis aos amigos (e cúmplices) dela mesmo em meio ao estrondoso som ambiente, mas nenhum deles comentou com ela (naquele dia).

Quando acabou, ela perguntou a ele por que ele fez aquilo com ela. "Porque você queria, flor", respondeu ele. Ela se ajeitou e foi cantar. Depois do show eles foram a um motel, mas não teve a mesma graça, por isso eles saíram do motel e fizeram na rua mesmo. "Uma relação que nasce torta nunca se endireita", analisava o Canalha. "O lado ruim dos desejos probidos é que as vezes eles se realizam", retrucou ela.

16 comentários:

Michele P. disse...

"Uma relação que nasce torta nunca se endireita", analisava o Canalha. "O lado ruim dos desejos probidos é que as vezes eles se realizam", retrucou ela.

E só para contrariar, hoje eu vou concordar com os dois!rsrs


Beijos!

Michele P. disse...

PS: Vai ganhar post dia 07 tá?

Bjs

Paulo Braccini disse...

Mais uma das Paulinices de primeira grandeza ... lirismo, sensualidade, erotismo, enfim ... perfeito ...

Salvou a última segundona do mês em BlogsVille ...

;-)

Rick disse...

Sensacional!
Hoje é dia de canalhices, pelo jeito!
Aqui e lá no meu blog!
Gostei mais daqui!
Kkkkkkkkkkk...

Abraços!

Luna disse...

eu tenho uma relação torta e canalha, rs.

ah, todas temos, e se temos. rs

SolBarreto disse...

Adoro como escreve!!
Amei esse canalha rsrsrsr
""Uma relação que nasce torta nunca se endireita", analisava o Canalha. "O lado ruim dos desejos probidos é que as vezes eles se realizam", retrucou ela."
E que bom que eles se realizam as vezes, pois são os melhores rsrsr

Suzana Martins disse...

hehehe...

eu acho que tenho essa relação meio torta, meio canalha. Ou melhor, completamente toooorta!! rsrs

Beijos

Sil disse...

Boa, e o que vc disse por ultimo é verdade!

Bjs

S.S. disse...

Primesiro comentário em muito tempo de acompanhamento do blog...
Adoro seus textos. O jeito como escreve, como sensualiza sem banalizar... Essa sutileza falta a muitos homens... vc parece ainda tão jovem...rs... Beijos...

Daniel Savio disse...

O pior, que aos trancos e barracos eles se entendem...

Fique com Deus, menino Eraldo Paulino.
Um abraço.

Jamylle Bezerra disse...

Bacana demais!A descrição de um típico canalha. Arrasou!

Aproveita o Carnaval!!!

Jamylle Bezerra disse...

Bacana demais!A descrição de um típico canalha. Arrasou!

Aproveita o Carnaval!!!

Valéria Sorohan disse...

Que atrevimento mais gostoso esse! Aliás atrevimento é sempre gostoso.

BeijooO*

Batom e poesias disse...

Ela é sábia e ele, maquiavélico...
Um par perfeitinho.

bjs
Rossana

mirian disse...

Uma relação que nasce torta nunca se endireita", analisava o Canalha.

descrição perfeita pra relação dos dois!!!

muito bom!!!
rsrs

bjs

Eraldo Paulino disse...

Michele P²: Você é a contradição mais linda, flor.

Paulo Braccini: Vindo de vc é mais que elogio, é muito fofo

Rick: Valeu, velho!

Luna: Podemos não ter muitas, mas preferimos essas

SolBarreto: Também amo esse canalha. Obrigado pelos elogios. Bj!

Suzana Martins: Também acho que tenho, filha rs

Sil: O Canalha sabe das coisas...

S.S: Volte sempre, linda!

Daiel: Aos trancos e barrancos que é bom mermo rs

Jamylle: Valeu, lindona!

Valéria: atrevimentos são demais mesmo!

Batom e poesias: Pra esse momento sim. Pra depois.. já não sei rs

Mirian: Valeu, flor!