Seguidores

Nuvem de Tags

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

DIANTE DE SI – PARTE 3 DE 3


Nos posts anteriores, Armando começou a aprender o que significa ser adulto. A matéria que escreveu foi publicada e por uma linha dela um policial que agrediu seus colegas militantes foi encaminhado à corregedoria. Enquanto isso, seus amigos militantes criticaram a matéria desconhecendo que a autoria é de um amigo outrora crítico a matérias do tipo. Uma carreira nas redações com possibilidade de não dar a ele dinheiro suficiente para compensar uma possível incoerência com o discurso tão defendido na universidade ou arriscar ser pai de uma forma inesperada e irresponsável e ainda por cima ter de depender dos pais para sustentar o filho?
Armando põe o celular sobre uma mesa. No display a mensagem criticando a matéria dele ainda aberta. Ele olha a mensagem. A mensagem no celular, o celular na mão. Armando olha sua própria mão e nela seus dedos. Nas pontas dos dedos da mão esquerda que segurava o celular há cicatrizes do que no dia anterior eram calos. Os calos foram feitos depois de tocar um violão de cordas de aço durante três horas seguidas. Antes disso, há três anos, bastavam alguns minutos para os dedos ficarem em merda. Os dedos estão diante dele, e depois dos dedos estão quadros. Retratos de antigamente. O foco sai da mão para o retrato dele festejando o vestibular. A tensão do vestibular é como um calo anterior na ponta dos dedos de sua alma. Ele aprendeu a tocar violão de calo em calo. Olhando novamente o celular, que por acaso foi colocado ao lado do jornal no qual está sua matéria, ele percebe que está na hora de superar mais um calo.

“A matéria que saiu no jornal hoje é minha”, escreve Armando no sms encaminhado a todos os colegas de militância, sejam os mais experientes, sejam os novatos. Não demoram a chegar telefonemas. Ele em geral não gosta de responder à mesma pergunta mais de uma vez, mas dessa vez faz um sacrifício. A primeira coisa que passou pela cabeça dele foi dizer ter aceitado a proposta de trabalhar no jornal porque teria um filho. “Coitada dessa criança. Nem nasceu ainda para assumir uma responsabilidade de outra pessoa”, pensou. Então resolveu contar aos colegas sobre a paternidade somente semanas depois de conversar com eles sobre o novo emprego e explicar a necessidade de arrumar trabalho, por isso aceitou. Foi bem mais difícil para ele próprio aceitar isso do que os amigos. Fizeram muitas piadinhas, é verdade, mas aceitaram numa boa.

***
Obviamente o policial levado à corregedoria não sofreu maiores punições do que alguns dias de reclusão. No entanto, encontrar com aquele policial na rua – que soube depois que foi ele quem escreveu a maldita matéria – e perceber o ódio do PM, dava a ele uma pontada de orgulho.

***
Armando trabalhou durante alguns anos naquele jornal, e conseguiu perceber que mesmo em um jornal de linha conservadora era possível fazer boas matérias, sobretudo quando quem estava no poder era um inimigo político do jornal. Depois, conseguiu o que sempre quis: foi contratado para escrever para uma revista de esquerda. Mas não qualquer revista de esquerda, e sim a mais conceituada do Brasil. Qual foi a decepção dele então ao perceber que ali o ambiente de trabalho era cercado por disputas internas e conflitos de vaidade e isso fazia ele se sentir bem pior do que trabalhando no jornal de direita. Meses depois ele aceitou o convite para ganhar mais num jornal de grande circução, agora como repórter especial.
PRÓLOGO
Aos 37 anos ele tem uma filha que não sabe se presta vestibular para jornalismo ou para matemática.
“Pai, eu não sei o que eu escolho. Eu estou desesperada já”, desabafou Adriana. Com um sorriso terno no canto da boca ele a encara e se vê. Ele fala para ela dizendo para si mesmo: “você vai descobrir como na verdade as coisas escolhem a gente, filha”. “Será que vai demorar muito pra isso acontecer, pai?”, pergunta ela, enquanto esfrega o rosto no seu ombro. “A gente só vive a vida vivendo , filha. Seja qual for a escolha que fizer, dê o máximo de si. Independente de qualquer coisa, os que te amam vão respeitar e amar o que você escolher. Porque a amam pelo que você é, e suas escolhas fazem parte de você”, disse ele, diante de si. A filha achou todo aquele discurso muito chato, na verdade, mas gostou muito do abraço.
_______________
Por sugestão da Lorena Prazeres do blog Infinito Particular, partilho essa canção, que tem realmente tudo a ver com o post.

12 comentários:

Michele disse...

:)É tarde e não li os textos anteriores. Mas gostei deste trecho.
Prometo voltar com calma e ler o restante.


Um beijo e boa quarta.

byTONHO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mirian Oliveira disse...

quando disseste no meu blog que de certa forma tem tudo a ver com o momento em que estava vivendo e que me motivaram a escrever naquela madrugada, imaginei na hora que era a continuação desse texto...

fico feliz que respondeste os questionamentos da Mirela, que de certa forma, eu também me fiz quando li o texto anterior, e principalmente pq vale a pena lutar por aquilo que a gente acredita, como o nosso jornalista fez... tem momentos que pensamos em desistir, mas... a vida é essa...

amei o texto meu anjo...

adorei a sintonia da noite... mesmo pensamento dentro de situações e criações diferentes...

bjs

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Querido amigo! Este teu relato veio a calhar com meu momento de forma contundente ... Vc sabe de minha fé cristã, de minhas atividades como voluntário na Igreja Católica do meu bairro onde exerci por mais de 6 anos toda uma gama de atividades pastorais, até q, semana passada, depois do carnaval, fui surpreendido por um chamado do pároco [q além de tudo é meu amigo] para uma conversa. Um bando de desocupados[as] e mal amados[as], sem ter o q fazer vasculharam minha vida pessoal e foram fuxicar com ele. Nada de escandaloso ou de novidade para a grande maioria de lá. Apenas minha condição de gay e o fato de eu ter uma relação de 37/38 anos e meu projeto de assinar o contrato de união estável nos próximos dias ... o caldo entornou ... aí, face a toda a situação e para não deixar o amigo em uma situação constrangedora, resolvi abandonar tudo ...
Lendo tudo isto agora e vendo sua colocação me sinto lavado: "“A gente só vive a vida vivendo.Seja qual for a "escolha" que fazemos, dê o máximo de si. Independente de qualquer coisa, os que te amam vão respeitar e amar o que você "escolher". Porque os que te amam, o fazem pelo que você é, e suas "escolhas" fazem parte de você”.

bjão querido

byTONHO disse...



"Onde você ainda se reconhece
Na foto passada ou no espelho de agora?
Hoje é do jeito que achou que seria
Quantos amigos você jogou fora?
"

"Já não sei se o sujeito foi fraco
ou não lutou o suficiente pra resistir..."

O pior de TUDO é que até os JORNAIS estão acabando, que será de tua geração?
Pra onde ir?
Trabalhar na Record do EDIR ou com os "lobos" na Rede da "globanalização"?!

Ser um "renitente e resistente" como um LEONARDO BOFF!?

Olhe no espelho e diante de ti responda-te!

:o)

P.S.: Desculpe-me se fugi no TEMA...

Dhal Pinheiros disse...

“você vai descobrir que há coisas que escolhem a gente”.
Da vida a gente só leva o que se vive...

Adorei o desfecho.

Beijos meu SENHOR Heraldo ...

Alê disse...

Eraldo,


Passando pra tentar devolver pouco do teu carinho.
Menino: crescer dói, lateja... Incomoda, mas é danado de bom.

Cá estou numa encruzilhada, e as vezes, a gente sobre pra entender que a vida quer que a gente mude,

E a escolha de Oswaldo? Melhor não seria não. Ele é perfeito!!!!


Um beijo enorme e estejas bem,

Batom e poesias disse...

Esperei o final para comentar.

É muito mais que uma historinha.
É um texto que pondera, questiona, filosofa, busca, compreende, duvida, perde e acha, perde de novo...

Viver é isso!


Feliz aniversário, querido.
Bjs

Rossana Masiero

Letras Saltitando disse...

bah... post revigorante, e uma musica perfeita pra uma sexta-feira.... como eu queria voltar no tempo...

bjs e bom findi

Diogo Didier disse...

Seu post me lembra uma história bem próxima a mim, de um amigo que passou pelas dificuldades da transição entre a adolescência a vida adulta.

Na verdade, é muito complicada a transição entre esses dois mundos. De forma ficcional, mas com muito requinte real, acredito, você fez um traçado humanístico das dualidades humanas, das conquistas, dos desacertos e de tudo o que a vida pode nos reservar.

PARABÉNS pelo texto! bjoxxxx no coração!

inconstante k disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
inconstante k disse...

Depois de tantas situações normais à vida cotidiana não podríamos esperar um desfecho mais comum.É a vida ... nascer, crescer e se ferrar..