Seguidores

Nuvem de Tags

terça-feira, 18 de junho de 2013

Os 20 Mil de Belém

Foi na avenida Almirante Barroso que tive minha primeira experiência como manifestante. Na ocasião, há cerca de 15 anos atrás, eu enquanto estudante o como centenas de outras/os pelo grêmio estudantil do então Colégio Pedro Amazonas Pedroso (CEPAP aos mais saudosos) para engrossarmos as fileiras do MST quando fazia um ou dois anos do Massacre de Eldorado do Carajás. Não lembro de muitos detalhes, mas recordo que mulheres, homens e crianças marchavam já há dias para acampar em São Brás, na histórica praça do Operário.

Não sai da minha memória também que as pessoas a frente desse grêmio eram ligadas ao PSTU, e que me senti muito bem acolhido pelas pessoas em marcha. Rostos simples de gente que eu via na TV como baderneiros e que se preocupavam o tempo todo se os estudantes tinham sede, se estavam bem. Choveu naquele dia, assim como ontem, quando caminhei pela mão inversa da Almirante que já não é a mesma. Gritei por coisas parecidas com as que gritei outrora (Passe Livre para estudantes, por exemplo). Se foi histórico pra mim caminhar ao lado do MST em minha primeira passeata, foi histórico para o mundo a data de ontem: 17 de junho.

Nunca dei azar de participar de um ato com forte repressão policial, mas não lembro de uma na qual um ou outro indignado tenha errado na dose. Lembro de uma que participei, contra a ALCA, que paramos em frente ao consulado estadunidense e algumas pessoas chegaram a atirar pedras em vitrais, arrancar gramas e coisas do tipo. Naquela época eu não gostei daquela atitude, e qual não foi minha surpresa ontem quando, já nos primeiros metros caminhados, um rapaz encapuzado abaixou para pixar uma mureta e foi logo repreendido por centenas de vozes anônimas: “Sem vandalismo!”, gritavam. Porém, deixo claro, discordo do rótulo de vândalos manifestantes que reagem contra a PM, embora eu não acredite em violência como solução a nada.

Ontem vi muita gente que me lembrava a mim mesmo quando comecei a me rebarbar contra o sistema. Gente que se sentia motivado a gritar palavras de ordem, mas ainda com certo constrangimento. Gritavam, mas só no auge do coro, e comumente erravam algumas palavras. Mas apesar daquele ar de certa forma frágil de rostos joviais, havia um olhar perene naqueles semblantes, que é impossível de ver em qualquer outra faixa etária com a mesma intensidae: era o olhar da novidade. O novo que não nega tudo que é velho, mas tão pouco reafirma tudo que era dito até então. Por exemplo, se eu fui pra rua há 15 anos puxado pelo PSTU, ontem uma das palavras de ordem que mais ouvi foi o povo mandando a galera com as bandeiras vermelhas tomarem no lugar que rima com “U”.

Ah, mas não poderia deixar de falar do objetivo de mais de 20 mil pessoas que foram às ruas de Belém em consonância com outras centenas de milhares em todo Brasil. O povo tava na rua por causa de vinte centavos, contra a copa, contra a corrupção, contra...; pra ser honesto comigo e com todos os outros que compartilharam por algumas horas o mesmo asfalto sob os pés, essa é uma das diferenças mais atraentes e ao mesmo tempo preocupante desse novo momento: não sabemos onde isso vai dar, mas sabemos que não queremos ficar onde estamos. Eu acredito nisso. E acreditar nisso, senhoras e senhores, é ótimo.

O único congestionamento que eu lembro de ser aplaudido em Belém é o que causa a passagem da imagem da Nazica no Círio rodoviário, quando pessoas aparecem nas janelas e à beira da pista pra aplaudir, homenagear e etc. Ontem eu vi muito disso numa passeata.Talvez porque o povo na beira, sejam os que apoiavam com panos brandos nas janelas, sejam os que no fundo aguardavam uma porradinha contra a polícia para acompanharem de camarote viam ali na imensa maioria de pessoas o próprio reflexo. Uma gente que não quer depredar o Estado, ao mesmo tempo que queria deixar claro que não estava nada contente com ele, ao mesmo tempo que se demonstrava a favor das reivindicações dos “baderneiros”, mas deixaram claro que não querem servir de massa de manobra de nenhum partido e não toleram violência. Alguns verão nisso despolitização. Não que não seja em parte, mas não há como negar o espírito radical disso. Radicalizar não é apenas ir para um extremo, mas também criar outro.

DETALHES
É comum a manifestações fazer silêncio quando se passa em frente a um hospital, mas nunca tinha visto esse silêncio vindo de 20.000 pessoas. Não havia carro-som ontem animando. Ainda bem. Não houve quem manipulasse as falas ou que tivesse a pretensão de querer falar por todas/os. Assim, a recomendação do silêncio vinha de boca em boca, de dezenas de metros à frente até o fim. Foi de arrepiar ver essa grande rede social funcionando ao mesmo tempo que lia em muitos cartazes a mensagem “saia do facebook”.

Eu sempre critiquei as grandes produções cinematográficas e televisivas a respeito de atos públicos. Repare, leitor, que a única palavra de ordem que sabem dizer na tele-dramaturgia é “O povo unido jamais será vencido!”. Eu nunca tinha ouvido isso numa manifestação real. Até ontem. Também havia ontem manifestantes fantasiados de “Homem Aranha” (oi?), gente fazendo poses para fotos ao lado do delegado Eder Mauro, que para quem é de fora, representa aquela figura do policial brabo que mata mesmo os “vagabundo”. Há quem ache isso bonito. Pra mim ganhar fama de assassino supostamente matando a juventude negra deveria render a ele algumas das muitas vaias que berramos.

Talvez a manifestação mais ignorada de todos os tempos da última noite tenha partido de um jovem rapaz, que simplesmente parou sobre um bloco de concreto, de frente para a multidão com uma Bíblia aberta (oi?). Jamais entenderei qual a intenção daquele rapaz, também um radical, certamente. Mas confesso a Deus Todo Poderoso que ri dele. Por minha culpa, minha tão grande culpa.

As únicas confusões que existiram em todo o trajeto foram protagonizados esporadicamente pelos próprios ativistas. Na realidade, o batalhão que acompanhou todo o trajeto mostrava literalmente na cara que não estavam ali para brigar. Eram soldos, cabos e quiçá alguns sargentos nitidamente fora de forma, longe do padrão utilizado quando o Estado quer realmente bater em alguém. Houve também xingamentos e alterações quando um repórter da afiliada da Rede Globo quis fazer uma entrevista – nem tudo pode ser tão diferente mesmo.


Voltei pra casa com o coro mais clichê de todos na cabeça: “O povo unido jamais será vencido”. Essa frase, que mais parece um verso bobo de feicibuqui, simbolicamente saiu de pessoas convocadas em grande parte através desse aplicativo. Eu ri as primeiras vezes que ouvi. Debochei, na verdade, e me peguei subestimando a novidade. Não é de uma palavra de ordem sofisticada que precisamos, precisamos de berros gritados que façam os que estão à margem entender e se motivarem a virem pra avenida da luta. Independente de qual processo vai desencadear a partir daqui, a lição que aprendi na última noite foi que não é de pessoas num pedestal do conhecimento que precisamos, nem de vanguardistas pretensiosos. Precisamos do povo ao nosso lado, com todas as contradições lindas ou não que isso traga. “E precisamos todos rejuvenescer”.

3 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Tenho esperança q o Brasil tenha despertado ... apesar dos descontroles o movimento é forte e está lindo ...

Unknown disse...

A humanidade é desumana, MAIS ainda temos chance!
#EuAcredito!
#EuEsperoOmelhor!

Michele Pupo disse...

O grito é tão clichê e antigo quanto o canto do Renato, com mais de duas décadas de existência...
"Nas favelas, no senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação..."

Confesso que me surpreendi com as manifestações e brados do povão. E que estou gostando desta cutucada com vara curta. Temos que inquietá-los mesmo!

Beijão, P. Como sempre mandando bem no teclado e na "escrivinhação".