Seguidores

Nuvem de Tags

sexta-feira, 18 de março de 2011

Da região Serrana do Rio ao Japão

Após Tsunami e terremoto varrerem parte do Japão, entre um e outro alarmes falsos (e verdadeiros) de novas catástrofes é hora de começar a pensar no recomeço. Mas em cidades do nordeste do Japão, como mostra esta reportagem de Marcos Uchoa, quase todas de pequeno porte, parte do estrago feito pela onda gigante significa quase tudo, o que torna quase impossível a reconstrução de algumas delas. Especialistas afirmam que o superlativo terremoto de 8,8 na escala Richter não foi provocado pelo desequilíbrio ecológico no qual o planeta se encontra. Ao contrário, tal fenômeno é provocado por colisões de placas tectônicas, não tendo influência direta de desmatamentos e aquecimento global conforme o vídeo abaixo explica.


Este terremoto foi o maior da história japonesa. E, a exemplo do que ocorreu ao Haiti ano passado, a região mais empobrecida do Japão foi a mais devastada. Cidades como Rizukentakata, que teve quase 5 mil casas devastadas são bons exemplos de que o recomeço pode jamais existir para a cidade, restando apenas aos sobreviventes procurar corpos e possíveis sobreviventes. O número de mortos até agora registrado no Japão (26.000 até 19-03) tende a aumentar, uma vez que o número de desaparecidos é muito maior.

Deslizamento na região serrana do RJ
Apesar de chocante, as imagens do ocorrido no Japão e mortes em massa não são as únicas a chocar no primeiro trimestre de 2011. No Brasil, as notícias envolvendo desastre natural na região serrana carioca inauguraram as cenas chocantes do ano, com cerca de 900 mortos e milhares de desabrigados. Mesmo em meio a catástrofe japonesa, a onda de protestos norteafricanas que partiu da Tunísia influenciando os países vizinhos chegava à Tunísia com notícias estarrecedoras de guerra civil sangrenta e o genocídio de vários manifestantes por ataques aéreos comandados pelo presidente ditador Kadaffi. Cenas e eventos que acostumamos a ver nos filmes de ficção, com catástrofes e guerras passaram a ser imagens triviais neste início de ano. Números como: 1000 mortos, 200.000 mortos, 100 mortos parecem apenas números.


Imagem ímpar de mulher e cachorro sendo resgatada. Vídeo aqui.

Consequência do Tsunami. Um desavisado poderia dizer que são brinquedos.

Manifestações norte-africanas - imagem da Tunisia.


______________
CURIOSIDADE: A cidade de Rizukentakata citada na nota é menor do que a área que será alagada como consequência da construção da Usina de Belo Monte.

8 comentários:

L. Sampaio disse...

Oi Eraldo, como vai?
É, um começo de ano um tanto atípico... que nos faz até pensar se filmes de ficção sobre o apocalipse, são realmente só ficção mesmo.
Mas como diria minha vó, de alguma forma ou de outra, a natureza vai querer o que é dela de volta.
beijos.

Lorena Prazeres disse...

Oi Eraldo!
Nossa eu me surprendo a cada desastre. A natureza está reagindo a tudo que o homem lhe fez. Mas de uma coisa eu tenho certeza, isso são sinais da volta de Jesus!

Luna Sanchez disse...

Medo.

=**

Alline disse...

São muitas as turbulências, em todos os níveis. Tem que ter fé e coração forte. O que virá a seguir?

Beijosss, Eraldo!

Valéria Sorohan disse...

A natureza não conspira contra nós,
A culpa é toda nossa.
somos os senhores das catástrofes e destruição.
A natureza só responde...

BeijooO*

Batom e poesias disse...

O fim de tudo...
Tristeza e medo.

bjs

Paulo Braccini disse...

Passando para dizer q voltei e agradecer o carinho de todos durante a minha ausência em viajem ... volto com calma para ver as postagens ... bjux

;-)

Eraldo Paulino disse...

Obrigado a tod@s pela visita e comentários!